Serviço de configuração de monitoramento

uim203
mcs
Criar e gerenciar as configurações de monitoramento de centenas de dispositivos ou recursos de destino é uma tarefa muito demorada. Você pode simplificar o processo de configuração manual usando o Serviço de configuração de monitoramento. O Serviço de configuração de monitoramento permite que os administradores e outros usuários autorizados criem um conjunto de perfis de configuração. Os perfis são aplicados, ao mesmo tempo, a centenas de dispositivos de destino. O Serviço de configuração de monitoramento também implanta automaticamente os probes em dispositivos de destino, conforme necessário.
Use os tipos de perfil fornecidos para criar perfis de configuração de monitoramento. Os tipos de perfis foram projetados para focar nos componentes ou elementos de rede que os probes podem monitorar. Você não precisa mais determinar quais probes implantar e configurar para monitorar seus dispositivos.
Após a aplicação dos perfis de configuração de monitoramento aos dispositivos de destino, você sempre poderá modificar os perfis à medida que suas necessidades de monitoramento se alterarem.
Índice
Permissões necessárias
A exibição Administração da conta no OC (Operator Console - Console do Operador) permite que os usuários de barramento criem contas e modifiquem permissões da ACL das contas. Consulte Usando a administração da conta para obter mais detalhes.
A tabela a seguir mostra as permissões de ACL necessárias para gerenciar os perfis de monitoramento criados com o Serviço de configuração de monitoramento. As permissões da ACL são listadas verticalmente, e as tarefas que um usuário pode executar são mostradas horizontalmente.
Permissões da ACL
Gerenciar perfis de grupo
Gerenciar perfis de dispositivo
Gerenciar as opções do serviço de configuração
Exibir perfis
Serviço de configuração de monitoramento
SIM
SIM
SIM
SIM
Modificação de monitores individuais para sistemas de computador
N/D
SIM
N/D
N/D
Modificação de grupo
SIM
N/D
N/D
N/D
Configuração do probe
N/D
N/D
SIM
N/D
Edição de modelos de monitoramento
SIM
SIM
N/D
SIM
Verificar requisitos
O Serviço de configuração de monitoramento usa os seguintes itens, que são instalados com o UIM Server e com o programa de instalação do OC:
  • OC (Operator Console - Console do operador):
    selecione o ícone
    Configuração de monitoramento
    na Exibição de grupos ou depois de selecionar os grupos ou dispositivos na Exibição de inventário para acessar o Serviço de configuração de monitoramento.
  • Probe mon_config_service:
    esse probe é implantado no hub principal durante a instalação. Este probe será necessário se desejar usar o Serviço de configuração de monitoramento.
Na preparação para o uso do Serviço de configuração de monitoramento, verifique se você:
  • Baixou os probes que podem ser configurados com o Serviço de configuração de monitoramento para o arquivo local. Consulte Fazer download, atualizar ou importar pacotes para obter instruções sobre como fazer download de probes para o arquivo local.
  • Instalou as licenças apropriadas do probe.
    A partir do CA UIM 9.2.0, os requisitos de licenciamento no nível de hub/robô e probe foram removidos. Implante as versões do hub, do robô e do distsrv lançadas com o CA UIM 9.2.0 para remover a dependência da licença. Se desejar continuar com as versões mais antigas do hub e dos probes que requerem uma extensão da licença, entre em contato com o suporte técnico para obter ajuda com a extensão da licença (se necessário).
  • Tenha revisado as Notas da versão dos probes que deseja configurar com o Serviço de configuração de monitoramento. É possível encontrar as Notas da release para cada probe no Espaço da documentação de probes.
Verifique se o UIM Server e o Console do operador estão no mesmo nível de versão.
Probe suportado pelo Serviço de configuração de monitoramento
Para novas instalações, os probes abaixo são exibidos na coluna Versão local ou Versão web na guia
Arquivo
do Console de administração. Use o Serviço de configuração de monitoramento para implantar e configurar as versões dos probes a seguir. A configuração feita no perfil substitui as configurações de monitoramento existentes para um probe. Quando os campos de configuração do probe não estiverem incluídos no perfil de monitoramento, a definição padrão existente ou a configurada será mantida.
  • adevl 2.02 (ou posterior)
  • ad_server 1.91 (ou posterior)
  • ad_response 1.70 (ou posterior)
  • apache 1.62 (ou posterior)
  • aws 5.21 (ou posterior)
  • axa_log_gateway 1.00 (ou posterior)
  • azure 3.01 (ou posterior)
  • cdm 5.80 (ou posterior)
  • cdm-MC 5.80 (ou posterior)
  • dirscan 3.14 (ou posterior)
  • docker_monitor 1.42 (ou posterior)
  • dns_response 1.68 (ou posterior)
  • emailgtw 2.82 (ou posterior)
  • email_response 1.44 (ou posterior)
  • ews_response 2.03 (ou posterior)
  • exchange_monitor 5.31 (ou posterior)
  • iis 1.90 (ou posterior)
  • jdbc_response 1.25 (ou posterior) (para o tipo de perfil PostgreSQL)
  • ldap_response 1.35 (ou posterior)
  • log_forwarder 1.00 (ou posterior)
  • log_monitoring_service 1.00 (ou posterior)
  • logmon 3.55 (ou posterior)
  • mysql 1.48 (ou posterior)
  • net_connect 3.31 (ou posterior)
  • netapp_ontap 1.21 (ou posterior)
  • ntevl 4.12 (ou posterior)
  • ntperf e ntperf64 2.03 (ou posterior)
  • ntservices 3.24 (ou posterior)
  • nutanix_monitor 1.51 (ou posterior)
  • office365 1.00 (ou posterior)
  • openstack 1.36 (ou posterior)
  • oracle 4.91 (ou posterior)
  • processes 4.01 (ou posterior)
  • rsp 5.20 (ou posterior)
  • sap_basis 1.31 (ou posterior)
  • snmpgtw 1.40 (ou posterior)
  • sharepoint 1.81 (ou posterior)
  • sqlserver 4.94 (ou posterior)
  • telemetry 1.20 (ou posterior)
  • url_response 4.41 (ou posterior)
  • vmware 6.81 (ou posterior)
  • vnxe_monitor 1.01 (ou posterior)
  • xtremio 1.01 (ou posterior)
Consulte o Espaço da documentação de probes para obter informações sobre probes.
Tipos de perfis inclusos no CA UIM
Veja a seguir alguns dos tipos de perfil que você pode usar na criação de perfis de configuração para probes de monitoramento. Você pode configurar a maioria dos tipos de perfil para os sistemas Windows, Linux ou HP-UX, a menos que indicado.
As duas categorias de tipo de perfil são:
  • Configuração
    -
    Use os perfis do tipo configuração para definir como o probe opera.Os perfis do tipo configuração estão na metade inferior da lista.
  • Monitoramento - Use os tipos de perfis de monitoramento para configurar o que um probe monitora e os tipos de alarme e as métricas de QoS que o probe gera.Os tipos de perfil de monitoramento são exibidos na parte superior da lista de tipos de perfil.
Alguns probes têm um único tipo de perfil, ao passo que outros têm um perfil do tipo
configuração
e um ou mais tipos de perfil de
monitoramento
. Quando houver vários tipos de perfil, crie primeiro um perfil de Configuração. Alguns dos tipos de perfis de configuração têm definições relacionadas aos tipos de perfil de monitoramento. Por exemplo, o tipo de perfil Configurar cdm permite configurar os intervalos de coleta de amostras que se aplicam ao monitoramento de CPU, disco, memória e NIC.
  • Exclusão de eventos do Active Directory
  • Inclusão de eventos do Active Directory
  • Resposta do Active Directory
  • Servidor do Active Directory
  • Apache
  • Scripts da detecção de aplicativos
  • Monitor da CPU
  • Disco(s) padrão
  • Monitores de E/S do disco
  • Disco(s)
  • Resposta do DNS
  • Gateway de email
  • Resposta do email
  • Exclusão do log de eventos
  • Inclusão do log de eventos
  • Monitor do Exchange
  • Verificação de arquivos e diretórios
  • IIS
  • Iostat
  • Resposta do LDAP
  • Encaminhamento de log
  • Encaminhamento de log - Apache
  • Encaminhamento de log - Catalina
  • Encaminhamento de log - Log4j
  • Encaminhamento de log - Oracle Alert
  • Monitoramento de log
  • Serviço de monitoramento de log
  • Monitor de memória
  • Resposta do servidor do MS Exchange
  • MySQL
  • Monitor de NIC
  • Métricas de desempenho do NT
  • Oracle
  • Verificação de porta
  • PostgreSQL
  • Processos
  • Monitoramento do sistema remoto
  • SAP ABAP
  • SAP NetWeaver
  • Configurar adevl
  • Configurar padrões da detecção de aplicativos
  • Configurar AWS
  • Configurar axa_log_gateway
  • Configurar o Azure
  • Configurar DB2
  • Configurar cdm
  • Configurar dirscan
  • Configurar dns_response
  • Configurar Docker
  • Configurar emailgtw
  • Configurar log_forwarder
  • Configurar log_monitoring_service
  • Configurar logmon
  • Configurar net_connect
  • Configurar ntevl
  • Configurar ntperf
  • Configurar ntservices
  • Configurar Nutanix
  • Configurar Openstack
  • Configurar processes
  • Processos de instalação do Solaris
    (Usado somente para sistemas Solaris)
  • Configurar rsp
  • Configurar SAP
  • Configurar snmpgtw
  • Configurar telemetry
  • Configurar a resposta do URL
  • Configurar VMware
  • SharePoint
  • Gateway SNMP
  • SQL Server
  • Verificar URL
  • Serviços do Windows
O MCS também fornece perfis aprimorados. Os perfis aprimorados permitem configurar métricas, linhas de base, limites de alarme, alarmes - incluindo os alarmes Tempo acima do limite - e as mensagens de alarme de fechamento e alarme personalizado, tudo em um único perfil do MCS. Na UI, os perfis aprimorados são exibidos com o termo "(aprimorado)" adicionado ao nome do perfil. Por exemplo, Monitor da CPU (aprimorado).
Tarefas preliminares
Esta seção descreve as tarefas de configuração a serem executadas uma única vez antes de criar um perfil de configuração.
As tarefas de configuração de ocorrência única são:
  • Verifique se os dispositivos que estão em mais de um grupo são gerenciados pela mesma conta do UIM.
  • Implantar robôs em todos os dispositivos de destino
  • Como alternativa, configure as opções de proxy, principalmente se houver firewalls em seu ambiente.
Criar grupos do OC
Quando você cria grupos no OC com a finalidade de aplicar perfis de configuração com o Serviço de configuração de monitoramento, o MCS aplica perfis de configuração a dispositivos (no grupo) que tenham os recursos que correspondam a um perfil. Por exemplo, o Serviço de configuração de monitoramento pode aplicar o perfil Disco(s) ou Monitor da CPU a um grupo de dispositivos do Windows ou do Unix. Mas o MCS não aplicaria um perfil de configuração Desempenho do NT a um grupo de dispositivos Unix.
Alguns probes, como net_connect ou rsp, monitoram os dispositivos de destino remotos em um computador host. Para esses probes, você pode criar um grupo no OC com os sistemas do host que monitoram dispositivos remotos e outro grupo com os dispositivos remotos que o probe monitora.
Use o MCS para gerenciar os perfis de configuração dos grupos criados automaticamente com o recurso de detecção de aplicativos. Consulte Usar a detecção de aplicativos para obter detalhes.
Mover um dispositivo para outro grupo
É possível mover os dispositivos entre os grupos. O MCS pode demorar um pouco para aplicar perfis de configuração de grupo a dispositivos adicionados a grupos ou para remover perfis após a remoção de um dispositivo de um grupo. Consulte Gerenciar grupos no OC para obter mais detalhes sobre o gerenciamento de dispositivos em grupos.
Se você remover um dispositivo de um grupo e, em seguida, adicioná-lo novamente ao mesmo grupo, reinicie o robô no dispositivo. Isso permitirá que o Serviço de configuração de monitoramento reaplique os perfis de configuração do grupo atual no próximo intervalo de avaliação.
Melhor prática:
adicionar dispositivos apenas a um grupo do OC.
Usando grupos e contas com o serviço de configuração de monitoramento
O Serviço de configuração de monitoramento oferece suporte total a contas, grupos e conceitos de origem do CA UIM usados para criar ambientes de multilocação ou de controle restrito. Crie a conta e a estrutura do grupo cuidadosamente para evitar confundir o operador e erros.
Sempre implemente privilégios de gerenciamento sem sobreposição para qualquer elemento gerenciado pelo Serviço de configuração de monitoramento. Todos os usuários com permissão para implantar um perfil em um elemento devem ser capazes de ver o elemento, o perfil real e qualquer perfil de grupo potencial. Isso evita situações em que vários usuários possam aplicar inadvertidamente perfis de configuração conflitantes ao mesmo dispositivo.
Exemplo de prática recomendada:
Um administrador do CA UIM trabalha com dois sites de TI: TI da contabilidade e TI da engenharia. O administrador deseja obter relatórios de desempenho unificados para todos os servidores, mas também deseja permitir que os dois departamentos substituam as configurações. Nesse cenário, há um pequeno grupo de servidores que são compartilhados e importantes para os dois grupos.
O administrador do CA UIM cria a seguinte estrutura de grupos e permissões:
  • Perfis padrão
    : o grupo de Perfis padrão inclui um pequeno conjunto de servidores com vários perfis de configuração, criados e aplicados com o Serviço de configuração de monitoramento.
    Todos
    os operadores têm acesso a esse grupo e podem copiar perfis desse grupo para seus servidores e grupos.
  • Servidores de TI da contabilidade
    : o grupo Servidores de TI da contabilidade inclui todos os servidores gerenciados pela equipe de TI da contabilidade.
    Apenas
    a equipe de TI de contabilidade tem acesso aos servidores. A equipe de TI da contabilidade pode copiar os perfis do grupo de perfis padrão para esse grupo e pode aplicar qualquer substituição que seja necessária.
  • Servidores de TI da engenharia
    : o grupo de servidores de TI da engenharia inclui todos os servidores gerenciados pela equipe de TI da engenharia.
    Apenas
    a equipe de TI da engenharia tem acesso aos servidores. A equipe de TI da engenharia pode copiar perfis do grupo de perfis padrão para esse grupo e aplicar as substituições que forem necessárias.
  • Servidores compartilhados
    : o grupo de servidores compartilhados inclui todos os servidores importantes tanto para a TI de contabilidade quanto para a TI de engenharia.
    Somente
    o administrador tem acesso para gerenciar os servidores compartilhados. Todas as alterações de configuração devem ser solicitadas pelo administrador. O administrador implementa as alterações solicitadas, se apropriado para ambas as equipes.
Implantar robôs em dispositivos de destino
Um robô deve estar em execução em cada dispositivo. O robô permite que o Serviço de configuração de monitoramento implante os probes e aplique os perfis de configuração aos dispositivos de destino. Os robôs também facilitam a comunicação entre um probe e os recursos ou elementos de rede que o probe monitora. Consulte Implantar robôs para obter mais informações.
Introdução
Esta seção explica alguns conceitos básicos do Serviço de configuração de monitoramento.
  • Quais são os tipos de perfil?
  • Por que existem duas versões do probe cdm na coluna Versão local na guia
    Arquivo
    do Console de administração?
  • Por que há dois tipos de perfil Configurar processos?
  • Posso especificar a precedência para um perfil de configuração?
Tipos de perfis
Os tipos de perfil do Serviço de configuração de monitoramento são exibidos na guia
Configuração de monitoramento
no OC. Cada tipo de perfil foi projetado para se concentrar em recursos ou elementos do sistema que os probes podem monitorar. Por exemplo, o tipo de perfil Disco(s) se concentra no monitoramento de unidades de disco em um sistema de computador. Determine o que deseja monitorar e use o tipo de perfil adequado para criar um perfil de configuração de monitoramento.
Os tipos de perfis são agrupados e exibidos na seguinte ordem:
  • Tipos de perfis com perfis de configuração:
    aparecem em ordem alfabética na parte superior da lista. Use o ícone Expandir para exibir, acessar ou ocultar o perfil de configuração. Para os tipos de perfis que oferecem suporte a vários perfis, todos os perfis de configuração existentes são exibidos quando você expande um tipo de perfil.
  • Tipos de perfil sem perfis:
    são exibidos em ordem alfabética depois dos tipos de perfil com os perfis de configuração. Você pode criar ou modificar perfis de configuração com os tipos de perfis que são exibidos em texto normal.
    Tipos de perfil em itálico estão inativos, o que significa que você não pode usá-los para criar perfis de configuração. Os tipos de perfil ficam em itálico nos seguintes cenários:
    • Um probe não está no arquivo local do hub. (Exiba a guia
      Arquivo
      no Console de administração para determinar se um probe está no arquivo local.)
    • A versão necessária do probe não está no arquivo local. Para obter uma lista dos probes suportados, consulte Versões do probe suportadas pelo Serviço de configuração de monitoramento.
    • Os requisitos do probe não foram atendidos. Por exemplo, para criar um perfil de configuração com o tipo de perfil IIS, os probes iis e perfmon deverão estar no arquivo local.
O MCS também fornece perfis aprimorados. Os perfis aprimorados permitem configurar métricas, linhas de base, limites de alarme, alarmes - incluindo os alarmes Tempo acima do limite - e as mensagens de alarme de fechamento e alarme personalizado, tudo em um único perfil do MCS.
A ilustração a seguir mostra os principais componentes que são exibidos quando você seleciona
Configuração de monitoramento
.UIM Monitoring Tab
Duas versões do probe cdm
O programa de instalação do UIM Server coloca o probe cdm-MC vx.xx ou versão posterior e o probe cdm padrão no arquivo local do hub. Ambas as versões do probe cdm fornecem a mesma funcionalidade de monitoramento e alarme. O probe cdm-MC vx.xx substitui o probe cdm padrão com o qual você costuma implantar e configurar dispositivos em sua infraestrutura manualmente.
Eis algumas informações essenciais que você precisa conhecer sobre as duas versões do probe cdm:
  • O cdm-MC vx.xx ou versão posterior não emitirá alarmes e dados de QoS até que os perfis de configuração sejam aplicados aos dispositivos de destino. O probe cdm padrão tem definições pré-configuradas e emite dados de QoS e alarmes imediatamente após a instalação.
  • Use o Serviço de configuração de monitoramento para configurar, implantar e gerenciar o cdm-MC vx.xx em sua infraestrutura.
  • Quando você cria perfis de configuração, o cdm-MC vx.xx é implantado (com a configuração aplicada) quando nenhum probe cdm está em execução em um dispositivo de destino. Se o probe cdm estiver em execução em um dispositivo de destino, o Serviço de configuração de monitoramento aplicará o perfil de configuração ao probe cdm que estiver em execução em um dispositivo.
  • Se você implantar o cdm-MC vx.xx manualmente em um dispositivo de destino, ele permanecerá silencioso. O probe não emite alarmes e dados de QoS até que os perfis de configuração sejam aplicados aos dispositivos de destino.
Para novas instalações do CA UIM:
  • Após a instalação, ambas as versões do probe cdm aparecem no arquivo local do hub principal.
  • O programa de instalação do Console do operador coloca o probe cdm padrão no servidor do Console do operador para monitorar seu desempenho e recursos críticos. Deixe o cdm em execução no servidor do Console do operador.
Para obter mais informações sobre o probe cdm, consulte o artigo do cdm no espaço da documentação de probes.
Usando os tipos de perfil Configurar processes
Há dois tipos de perfil Configurar processes. Use o tipo de perfil que corresponda ao sistema operacional do dispositivo de destino.
  • Tipo de perfil
    Configurar processes
    Use esse tipo de perfil para criar um perfil para dispositivos de destino do Windows, Linux ou HP-UX.
    Observação:
    se você definir o tipo de perfil Configurar processes para um grupo que possua um dispositivo Oracle Solaris, o perfil de configuração é aplicado a todos os dispositivos no grupo. No entanto, os resultados de monitoramento para os dispositivos do Solaris podem ser imprecisos. Para monitorar processos para as zonas do Solaris, use o tipo de perfil Processos de instalação do Solaris.
  • Tipo de perfil
    Processos de instalação do Solaris
    Use esse tipo de perfil para criar um perfil para dispositivos de destino do Oracle Solaris ou Solaris. O tipo de perfil Processos de instalação do Solaris permite configurar as zonas a serem monitoradas.
    Observação:
    o sistema exibe um erro se você tentar usar o tipo de perfil Processos de instalação do Solaris para dispositivos do Windows, HP-UX ou Linux.
Usar a prioridade de perfil de grupo para definir a precedência
Somente uma instância de um perfil de configuração pode ser aplicada a um dispositivo de destino. Quando os dispositivos são integrantes de mais de um grupo do OC, os seguintes critérios determinam o perfil de configuração aplicado a um dispositivo:
  • Prioridade de perfil de grupo mais alta
    Para os dispositivos que são integrantes de vários grupos, é aplicado o perfil de configuração com o número de prioridade de perfil de grupo mais alto.
    Considere o cenário de exemplo na tabela a seguir. Um usuário cria um perfil de configuração do Apache para os grupos Denver e Boston do OC. O dispositivo A é integrante de ambos os grupos do OC. O perfil de configuração do Apache para o grupo Boston do OC tem uma configuração de perfil de grupo de 200. Essa configuração de prioridade é mais alta do que a prioridade (100) atribuída ao perfil de configuração do Apache para o grupo Denver do OC. Portanto, o perfil de configuração do Apache para o grupo Boston do OC terá precedência e será aplicado ao dispositivo A.
    Grupo do OC
    Integrantes
    Perfil de configuração
    Prioridade do perfil do grupo
    Denver
    Dispositivo A
    Dispositivo B
    Apache
    100
    Boston
    Dispositivo A
    Dispositivo C
    Apache
    20
  • Perfil de dispositivo
    Após a aplicação de perfis de configuração de grupo aos dispositivos em um grupo, o administrador pode substituir temporariamente as definições de configuração de grupo para o dispositivo. O perfil de configuração de dispositivo substitui quaisquer definições de perfil de configuração de grupo. Consulte Modificar perfis de configuração para obter mais detalhes.
  • Quando o mesmo tipo de perfil é configurado para vários grupos do OC, mas diferentes elementos de monitoramento são configurados em cada perfil de configuração, ambos os perfis são aplicados a dispositivos sobrepostos.
  • Quando o mesmo tipo de perfil é configurado para vários grupos do OC e os mesmos elementos de monitoramento são configurados em cada perfil de configuração, a ordem na qual os perfis são aplicados não é determinística.
  • Os perfis de configuração do dispositivo criados a partir do mesmo tipo de perfil devem ter nomes de perfil exclusivos.
Selecionar um dispositivo de referência
Ao criar perfis de configuração do grupo com tipos de perfis que exijam dados de um probe, você deverá selecionar um
dispositivo de referência
. O Serviço de configuração de monitoramento coleta dados para o tipo de perfil dos probes em execução em um dispositivo de referência.
Por padrão, o campo Dispositivo de referência é preenchido com todos os dispositivos do grupo selecionado que têm um robô e com o probe associado ao tipo de perfil selecionado que foi instalado. É possível adicionar dispositivos à lista suspensa Dispositivo de referência selecionando uma das seguintes opções:
  • Inclui dispositivos que não estão no grupo
    : selecione essa opção para escolher qualquer dispositivo de outro grupo que tenha um robô e o probe associado ao tipo de perfil selecionado instalado.
  • Incluir dispositivos sem probe
    : selecione essa opção para escolher qualquer dispositivo do mesmo grupo com um robô instalado. Não é necessário que os dispositivos tenham o probe associado ao tipo de perfil selecionado instalado.Se você selecionar essa opção juntamente com um dispositivo de referência sem o probe instalado, o Serviço de configuração de monitoramento implantará o probe para o dispositivo de referência selecionado, e o probe coletará os dados necessários para o tipo de perfil selecionado.
  • Selecionar as duas opções
    : selecione as duas opções para escolher qualquer dispositivo de seu ambiente que tenha um robô instalado. Não é necessário que os dispositivos tenham o probe associado ao tipo de perfil selecionado instalado. Se você selecionar um dispositivo de referência sem o probe instalado, o Serviço de configuração de monitoramento fará a implantação para o dispositivo de referência selecionado, e o probe coletará os dados necessários para o tipo de perfil selecionado.
Cenário do usuário
  • Pré-requisito
    • Verifique se o probe processes está no arquivo local.
  • Ambiente
    • Um grupo do OC com três dispositivos de teste do Windows.
    • Um robô está instalado em todos os três dispositivos.
    • O probe Processos não está instalado em nenhum dos dispositivos do grupo do OC.
    • O probe processes v4.31 está no arquivo local.
  • Cenário
    • Desejo criar um perfil de configuração do grupo Processos para monitorar os processos em execução nos dispositivos de um grupo do OC.
    • Desejo usar um dispositivo no grupo selecionado como um dispositivo de referência.
A maioria das pessoas prefere criar um perfil de configuração do grupo e deixar que o Serviço de configuração de monitoramento implante os probes e aplique os perfis de configuração de monitoramento aos dispositivos do grupo. Esse é o caso para esse cenário de exemplo.
Nesse cenário, quando você exibir o tipo de perfil Processos pela primeira vez, o campo Dispositivo de referência estará vazio, porque o probe processes não foi implantado para os dispositivos do grupo. Para preencher o campo Dispositivos de referência, você poderá selecionar a opção 
Incluir dispositivos sem probe
. Essa opção adiciona todos os dispositivos (com um robô instalado) do grupo selecionado à lista suspensa.
Depois que você selecionar um dispositivo de referência, o Serviço de configuração de monitoramento implantará o probe processes no dispositivo de referência e, em seguida, coletará dados do probe. O Serviço de configuração de monitoramento preenche a lista suspensa Processos disponíveis. Selecione o processo que deseja que o probe processes monitore e faça as demais configurações. Crie o perfil de configuração. O Serviço de configuração de monitoramento implanta o probe processes e, em seguida, aplica a configuração de monitoramento a todos os dispositivos do grupo.
O perfil de configuração do grupo permanecerá bloqueado até que o Serviço de configuração de monitoramento termine de aplicar o perfil a todos os dispositivos do grupo. Assim que o perfil de configuração for desbloqueado, você poderá modificar a configuração ou copiar o perfil para outro grupo ou para um dispositivo de outro grupo.
É possível alterar o dispositivo de referência?
Ao criar ou modificar um perfil de configuração, você poderá alterar um dispositivo de referência. O Serviço de configuração de monitoramento coleta os dados do dispositivo de referência recém-selecionado e retorna uma lista dos processos disponíveis. A lista de processos disponíveis pode ser diferente. É possível selecionar um processo diferente a ser monitorado.
Além disso, se o dispositivo de referência recém-selecionado não tiver o probe associado ao tipo de perfil instalado, o Serviço de configuração de monitoramento implantará o probe no dispositivo de referência e, em seguida, o MCS recuperará os dados necessários.
Criar um perfil de configuração do grupo de processos
O procedimento a seguir mostra como criar um perfil de configuração do grupo de processos no ambiente descrito no início deste cenário do usuário. O processo de configuração inclui informações sobre como usar a opção
Incluir dispositivos sem probe
para preencher um campo Dispositivo de referência vazio, ativar um perfil de configuração, selecionar o tipo de processo que o probe monitora nos dispositivos de destino e configurar o alarme Reinicialização do processo.
Siga estas etapas:
  1. Selecione o grupo de teste no OC.
  2. Clique em
    Configuração de monitoramento
    .
  3. Selecione '
    +
    ' e o tipo de perfil Processos.
  4. (Opcional) Modifique a configuração de Prioridade do perfil do grupo. Para obter mais detalhes, consulte Usar a prioridade de perfil de grupo para definir a precedência.
  5. Marque a caixa de seleção
    Ativo
    para permitir que o probe gere os alarmes e métricas configurados.
  6. Digite um
    Nome de perfil
    exclusivo e uma breve
    Descrição
    para o perfil de configuração.
  7. Selecione o processo desejado no campo 
    Processos disponíveis
    .
    O Serviço de configuração de monitoramento preenche os campos Nome do processo, Linha de comando e Proprietário do processo com dados recuperados pelo dispositivo de referência.
  8. Selecione a opção
    Rastrear processo pelo identificador de processo
    .
    Você deve selecionar essa opção para definir as configurações do alarme Reinicialização do processo.
  9. Selecione a opção
    Reinicialização do processo
    .
  10. No campo Relatório sobre o processo, selecione
    Desativado
    .
  11. Nos campos Gravidade, selecione
    Informativo
     e
    Crítico
    .
  12. Crie
    o perfil de configuração.
O diagrama a seguir mostra o perfil de configuração Processos que acabamos de criar. Observe que o perfil de configuração aparece na parte superior da lista de tipos de perfis.
Group Processes Configuration Profile
Fluxo de trabalho para gerenciar os perfis de configuração
O processo de criação e gerenciamento de perfis de configuração e implantação das configurações nos grupos de produção é composto das seguintes tarefas:
  • Desenvolver e testar perfis de configuração
    Configure os perfis para um dispositivo de teste em um ambiente de teste. Se os probes não estiverem sendo executados nos dispositivos de destino, o Serviço de configuração de monitoramento implantará os probes apropriados no dispositivo de teste de destino e aplicará os perfis de configuração que você criou. Observe os alarmes e dados de QoS emitidos.
  • Mover perfis de configuração para produção
    Continue modificando os perfis de configuração para o dispositivo de teste até identificar se a configuração de monitoramento está correta. Quando os perfis de configuração do dispositivo tiverem sido totalmente testados, copie-os em um grupo de pré-produção ou produção. Os perfis de configuração copiados são aplicados a todos os dispositivos no grupo. Consulte Copiar perfis para monitoramento consistente para obter mais detalhes sobre a função de cópia.
  • Modificar perfis de configuração de produção
    Quando desejar modificar os perfis de configuração do grupo de produção, copie os perfis do grupo no dispositivo de teste. Modifique os perfis para o dispositivo de teste. Teste os resultados de monitoramento para verificar se você está vendo os alarmes e os dados de QoS emitidos conforme o esperado. Quando estiverem totalmente testados, copie os perfis de configuração do dispositivo de teste para o grupo de produção. Os perfis de configuração do grupo modificados são aplicados a todos os dispositivos no grupo.
A figura a seguir mostra o processo de ponta a ponta recomendado para criar e copiar perfis de configuração de dispositivo em um ambiente de produção.
Criar e implantar um perfil de configuração
Create and Deploy a Configuration Profile
Sempre copie os perfis de configuração do grupo de pré-produção ou produção de volta no dispositivo de teste no ambiente de teste para modificar e testar as alterações de configuração do perfil. Observe os alarmes e as mensagens de QoS no ambiente de teste. Quando os perfis de configuração tiverem sido totalmente testados, copie-os em um grupo de pré-produção. Teste, observe os resultados e, em seguida, copie o perfil do grupo de pré-produção em um grupo de produção.
Ao atualizar para uma versão mais recente do CA UIM com perfis de configuração existentes do MCS aplicados aos dispositivos de destino, você perceberá que os probes não estão gerando as métricas ou os alarmes esperados após a atualização.
Para resolver esse problema, recomendamos as seguintes ações:
  • Se uma condição de erro for exibida na seção Status do perfil de uma página de configuração, exclua manualmente o probe associado a um perfil de configuração. Use o Console de administração para excluir os probes dos dispositivos de destino.
  • Mova a versão mais recente de um tipo de perfil para a produção.
  • Faça uma pequena alteração no perfil de configuração com o status de erro.
Resultado: o Serviço de configuração de monitoramento implantará a versão do probe no arquivo local e aplicará o perfil de configuração aos dispositivos de destino. O probe gerará as métricas e os alarmes corretos.
O Serviço de configuração de monitoramento tentará aplicar os perfis de configuração a um probe em um dispositivo de destino. O Status do perfil pode mostrar uma condição de erro quando o Serviço de configuração de monitoramento não conseguir aplicar um perfil de configuração para uma versão mais antiga de um probe. Você também poderá notar que os probes não estão gerando as métricas ou os alarmes esperados. Para resolver esse problema, remova manualmente a versão anterior do probe dos dispositivos de destino. Faça uma pequena alteração no perfil de configuração que o Serviço de configuração de monitoramento aplicou aos dispositivos de destino. Isso faz com que o Serviço de configuração de monitoramento implante a versão do probe que está no arquivo local aos dispositivos de destino. Então, o MCS aplicará o perfil de configuração aos dispositivos de destino. O probe deve começar a gerar as métricas e os alarmes.
Corrigindo o arquivo plugin_metric.cfg
Ao criar uma diretiva de alarme ou um perfil aprimorado, as informações de configuração são gravadas no arquivo plug_in.
Nas versões do robô anteriores à versão segura, às vezes, essas informações não eram gravadas corretamente no arquivo plugin_metric. Por exemplo, uma diretiva de alarme era criada, mas a configuração dessa diretiva de alarme não era implantada corretamente. Nesse caso, as informações correspondentes não eram atualizadas corretamente no arquivo plugin_metric e isso gerava problemas. Da mesma forma, quando um perfil filho era excluído da UI do Console do operador, as mesmas informações permaneciam no arquivo plugin_metric. Esse problema foi corrigido na versão do robô lançada no CA UIM 9.2.0 e releases posteriores.
Para resolver esses problemas em seu ambiente, você pode usar o retorno de chamada
plugin_metric_correction
que está disponível para o probe mon_config_service. Esse retorno de chamada implanta novamente os perfis aprimorados e as diretivas de alarme com base nas informações que você fornece.
Siga estas etapas:
  1. Certifique-se de não criar perfis do MCS ou diretivas de alarme ao executar esta operação.
  2. (Opcional) Abra a configuração de dados brutos do probe mon_config_service e aumente a contagem de segmentos para 10 na seção
    timed
    de cada parâmetro:
    • device_processing_threads
    • config_deployment_threads
    É recomendável aumentar a contagem de segmentos para que o processo seja concluído rapidamente. Depois de concluir o processo, altere as configurações de volta aos valores originais.
  3. Acesse o utilitário do probe (pu) do probe mon_config_service.
  4. Localize e selecione o retorno de chamada
    plugin_metric_correction
    na lista suspensa.
  5. Digite as informações apropriadas para os parâmetros a seguir, conforme necessário:
    • process_all_devices_flag
      Informe o valor como true se desejar reimplantar os perfis aprimorados ou as diretivas de alarme em todos os dispositivos. Se você selecionar esse parâmetro, todos os demais parâmetros deixarão de ser obrigatórios.
    • robot_names
      Digite o nome do robô específico no qual você deseja reimplantar os perfis aprimorados ou as diretivas de alarme. Se desejar usar mais de uma entrada, digite uma lista separada por vírgulas.
    • computer_system_ids
      Digite a ID de sistema do computador específico (cs_id) no qual você deseja implantar novamente os perfis aprimorados ou as diretivas de alarme. Se desejar usar mais de uma entrada, digite uma lista separada por vírgulas.
    • cm_group_ids
      Digite a ID do grupo específico no qual você deseja reimplantar os perfis aprimorados ou as diretivas de alarme. Todos os dispositivos que fizerem parte desse grupo serão considerados para a reimplantação. Se desejar usar mais de uma entrada, digite uma lista separada por vírgulas.
    Observação:
    é possível usar qualquer combinação de
    robot_names
    ,
    computer_system_ids
    e
    cm_group_ids
    .
  6. Execute o retorno de chamada.
    Uma mensagem será exibida no painel direito, indicando que o processo foi iniciado para os dispositivos. No entanto, observe que nenhuma mensagem de conclusão será exibida. O processo conclui todas as tarefas relacionadas em segundo plano. Se desejar verificar o status, será necessário verificar o banco de dados.
  7. Verifique o status executando as seguintes consultas:
    • select * from ssrv2policytargetstatus where cs_id in (<ID>);
    • select * from ssrv2profile where cs_id in (<ID>);
    O status OK significa que a reimplantação ocorreu sem nenhum problema.
  8. Da mesma forma, para saber se ocorreu algum erro, execute a seguinte consulta:
    • select * from ssrv2audittrail where
      userid
      like 'plugin_correction%';
    Do resultado dessa consulta, anote as IDs de objeto (IDs de sistema do computador que apresentou falha), verifique as mensagens de erro, resolva os problemas e execute novamente o retorno de chamada para esses dispositivos com falha.
Você reparou com êxito o arquivo plugin_metric.